Enfrentando a timidez na adolescência

Timidez é um estado de desconforto que pode acontecer diante de situações sociais. Às vezes, chega a atrapalhar o bom desempenho do adolescente, não permitindo que ele atinja seus objetivos.

Geralmente se desencadeia em situações de confronto com autoridade; situações de interação com algumas pessoas; contato com estranhos; falar em grupos ou em público. A timidez é um padrão de comportamento que impede a pessoa de exprimir seus pensamentos e sentimentos e interagir ativamente. Prejudica a qualidade de vida porque pode provocar um empobrecimento nas relações sociais.

Adultos tímidos são resultado de adolescentes tímidos. Adolescentes tímidos não foram necessariamente crianças tímidas, isso pode ser agravado pelas mudanças que caracterizam a fase da adolescência. Quando os pais são tímidos ou têm baixa autoestima podem favorecer a repetição desse comportamento nos filhos. De igual modo, pais excessivamente agressivos formam filhos tímidos que tendem a ver os outros como figura de hostilidade.

Adolescentes que são submetidos a críticas constantes, situações vergonhosas e humilhações silenciosas ou públicas podem desenvolver timidez excessiva. Da mesma forma, pais que têm comportamento frio, não demonstrando sentimentos e afeto, não ajudam os filhos a desenvolverem confiança em si mesmos.

Todos temos momentos de timidez, e isso não é, necessariamente, negativo ou doentio. Na verdade, até pode funcionar como um tipo de regulador social, impedindo que aconteçam determinados excessos. Funciona ainda como um mecanismo de defesa, porque permite avaliar situações novas.

Há dois tipos de timidez mais frequentes. Aquela que acontece dependendo da situação, ou seja, em situações específicas. E a timidez mais abrangente, em que a inibição acontece em quase todas as áreas do convívio social: em casa, na escola, na igreja, etc. O adolescente não consegue falar com estranhos, não consegue fazer amigos e tem dificuldade extrema para falar em público.

Quando a timidez depende do contexto, significa que o adolescente consegue enfrentar outras situações. Então, deve-se investir numa constante melhora, tentando assim superar a dificuldade.

Quando é crônica, é necessário cuidado, porque ela pode evoluir, provocando até fobia social. Isso acontece quando o adolescente passa a evitar todas as situações sociais — como trabalhar, comer em local público, etc. —, chegando a ter sudorese, tremores, taquicardia, náuseas e a se isolar constantemente.

Um dos remédios para vencer a timidez na adolescência é buscar contato social com aquelas pessoas mais conhecidas, com as que menos impressionam ou desestabilizam o emocional do tímido. Isso quer dizer que se deve preferir estar com as pessoas com as quais se sintam melhor, mais seguras nas atitudes, como uma forma de treinamento para os relacionamentos humanos. Essa prática pode ser repetida quantas vezes forem necessárias, até que o adolescente vá, gradativamente, se sentindo mais seguro.

A proteção, o aconchego, o respeito e a sinceridade na relação familiar também podem ser importantes aliados para o adolescente que sofre com a timidez, porque servirão como fonte de segurança e amparo nos momentos em que ele vier a se sentir desestabilizado.

A intimidade com o Senhor, a fidelidade e obediência a Ele é a principal arma que está ao alcance das mãos de todos que enfrentam dificuldades com a timidez. Porque em Deus está o lugar forte de onde emana toda firmeza que cada adolescente precisa para seguir andando a passos fortes, rumo aos seus objetivos na Terra, até chegar no céu, onde não haverá nenhuma sorte de dor, tristeza ou ameaça.

_______________________

* Publicado originalmente no Adnews 47 (Fevereiro/2016). 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *