Missão que transpassa o território e o tempo

O trabalho missionário em Moçambique foi iniciado quando o Pastor Presidente José Leôncio enviou o pastor Raimundo Ramos e sua família para o país em 1996. Lá, eles se encontraram com várias dificuldades. Desde questões sociais que envolvem a miséria, até o medo e trauma da guerra civil, encerrada apenas quatro anos antes. A família do Pr. Paulo Pereira foi a segunda a ser enviada, e foi seguida pela família Gila, com os missionários Pr. Gerson, a irmã Vera e os filhos, que cooperam naquela obra hoje.

Ao longo desses anos o trabalho tem crescido, não somente em quantidade, mas principalmente, na graça e conhecimento do Senhor. O templo sede está em Nampula, capital da província de mesmo nome, e há outras 38 congregações em aldeias.

A estrutura do templo sede em Nampula possibilita, por exemplo, que as aulas da EBD sejam divididas em classes. Mas, nas aldeias, o trabalho é realizado durante o dia, pela escassez de energia elétrica.

A missão em Moçambique tem similaridades e diferenças com a Igreja-mãe em Pernambuco. Nas congregações é possível ir à Escola Bíblica Dominical (EBD) e ao Círculo de Oração. Além da Campanha Evangelizadora que sai ao campo às 8h30 nos sábados, enquanto as crianças participam do Círculo de Oração Infantil, e conta com atividades intensivas para continuar alcançando os povos daquela região.

Nas quartas-feiras acontece o Culto de Oração, nas quintas pela manhã o Círculo de Oração, no mesmo dia à noite o Culto em Inglês e na sexta-feira, o Culto de Doutrina. Além desses, no primeiro sábado do mês, o Culto de Santa Ceia do Senhor é realizado no templo sede. E os irmãos também encontram tempo para participar das consagrações, vigílias, congresso de mulheres e aniversários dos corais.

Alguns corais da missão moçambicana têm um modelo semelhante ao do Brasil, tal como o de jovens. Mas há algumas particularidades nacionais, como o uso de vários idiomas na adoração. Um dos corais canta em inglês e há órgãos que cantam em dialetos, como em Macua; e irmãos refugiados de países como Congo e Burundi glorificam ao Senhor através do Suaíle, podendo assim alcançar outros refugiados.

Percebemos que além do amor que o Pr. Gerson demonstra pelos moçambicanos, há um carinho ainda mais especial ao falar sobre o trabalho das Campanhas Evangelizadoras em cada templo e dos frutos por elas alcançados. Também é perceptível a gratidão ao Senhor pelo trabalho confiado a ele e sua família em ambas as ocasiões no país. Sim, em ambas, pois a família regressou ao Brasil em 2009, quando o missionário Joab Lourenço e família prosseguiram com aquele trabalho, e regressaram a Moçambique em 2014, novamente correspondendo à promessa de Deus.

O Pr. Gerson Gila explicou que nem ele nem a esposa nutriam a esperança de voltar a Moçambique, mas que em 2014 o Senhor reativou a chama por anunciar o evangelho naquele mesmo país e no mês de julho voltaram à África. Mas desta vez as necessidades eram outras.

O pastor relatou que antes uma das maiores dificuldades era a de formar obreiros, especialmente porque muitos não sabiam ler; mas que hoje, graças a Deus, eles podem ler e escrever, o que contribui na expansão do evangelho e no aprendizado da Palavra. Por isso, nesta segunda vez, há uma formação intensiva para líderes que permite o envolvimento de mais irmãos das congregações, tais como jovens. Mas, em ambas as ocasiões, eles se veem impulsionados a trabalhar mais, pois apesar do impacto negativo da idolatria e da feitiçaria naquele país, eles veem as Boas Novas de Salvação florescendo naquele lugar.

“Quando eu oro ao Senhor, digo a Deus que não tenho palavras para agradecer a Ele por ter confiado em mim e na minha esposa o privilégio de sermos enviados para fazer um trabalho tão nobre e de tão grande responsabilidade, que é anunciar a Jesus a pessoas de outra cultura. E fico ainda mais grato a Ele quando eu posso presenciar o poder restaurador do evangelho de Cristo na vida dos meus irmãos moçambicanos. Não tem preço, não temos palavras que expressem” conta ele.

O Pr. Gila também falou da esperança e expectativa que sente ao pensar que encontrará no céu, adorando junto com o Cordeiro, os povos das diferentes etnias, inclusive os alcançados pela missão em Moçambique.  E finalizou expressando a gratidão que sua família e os irmãos moçambicanos têm ao Pastor Presidente e a Igreja em Pernambuco por serem instrumentos cruciais de Deus na realização desta missão evangelística transcultural. Por isso, além da mensagem de agradecimento e de todo o trabalho realizado, ele diz que a oração e a intercessão devem permanecer para que mais pessoas sejam alcançadas e resgatadas pelas palavras que produzem vida eterna.

_______________________

* Publicado originalmente no Adnews 69 (Dezembro/2017). 

Culto de Missões é realizado na Área 21

A congregação de Terminal Chã de Alegria, na Área 21 (Bomba do Hemetério), realizou no dia 10 de junho o seu Culto de Missões.

Tendo em vista o Centenário da Igreja, foi apresentado durante o culto o trabalho missionário da Igreja Evangélica Assembleia de Deus (IEADPE) em todo o mundo, com destaque para a África do Sul como país em foco. 

Adolescentes com o coração missionário

Uma manhã cheia da presença de Deus. Como toda manhã missionária tem sido um momento marcante na vida da Igreja do Senhor, não poderia ser diferente hoje para os adolescentes. Logo cedo, já era possível ver adolescentes apresentando em oração o culto e consagrando suas vidas a Deus.

E o Senhor honrou os que vieram buscar a Sua face. O tema escolhido para ministração da Palavra foi ‘Paulo, um coração missionário’, e a pregação ficou por conta do Ev. Josiel Soares, missionário da IEADPE.

Baseado no livro de Romanos 15.8-25, o evangelista falou sobre o caráter íntegro de Paulo na presença de Deus, e da sede que ele tinha de disseminar a mensagem do evangelho por onde passava. “Quem tem um coração missionário, sente o que Deus sente pelos pecadores”, disse o Ev. Josiel.

Além disso, o ministro da Palavra de Deus trouxe uma mensagem específica para os adolescentes que foram chamados por Deus para um propósito especial. “Quem tem um coração missionário deseja agradar a Deus. Um jovem que tem o coração missionário fala de Deus, não tem vergonha de Deus”.

Ao final da ministração o Senhor presenteou a igreja com poder vindo do céu, quase 30 adolescentes receberam o batismo com Espírito Santo. Deus manifestou Sua Glória e se fez poderosamente presente.

O louvor que encerrou não podia ser outro para expressar a gratidão a Deus pelos seus feitos. “Minh’alma canta ao Senhor, seu nome Santo é. Com todo meu ser louvarei, Seu Nome Santo é”.

Vestibular Bíblico

Como de costume, hoje foi anunciado o resultado do Vestibular Bíblico. Confira a lista com os primeiros colocados:

Na categoria de 12 a 14 anos:

3º Lugar:  Paulo Júnior (área 15 – Cavaleiro)

2º Lugar: Ester Honorato (área 5 – Morro da Conceição)

1º Lugar: Ashley Cunha (área 64 – Engenho da Serra)

Na categoria de 15 a 17 anos:

3º Lugar: Mateus Cruz (área 39 – Avenida 1)

2º Lugar: Hebraim Miguel (área 59 – Jardim Novo Prazeres)

1º Lugar: Tiago Alves (Setor 11 – Conj. Beira Mar)

Noite missionária dos 60 anos da EBO

Na noite de hoje (19) foi celebrado aqui no Templo Central da IEADPE o Culto de Missões. Um processional marcou o início do culto, tocando muitos irmãos presentes e mantendo viva a chama missionária desta igreja.

Muitos missionários entraram neste processional, e os fatos narrados pelo Pr. Presidente Ailton José Alves, primeiro missionário enviado por esta igreja, foi emocionante. “A chama missionária foi acessa primeiramente no coração do pastor José Leôncio”. Ele também falou sobre o crescimento da igreja em países como a Argentina e a África, onde a Obra do Senhor tem crescido.

Após os louvores, a mensagem da Palavra de Deus foi ministrada pelo Pastor Presidente da Assembleia de Deus no Ceará, Pr. Antônio José.

Baseado no texto Bíblico lido em Isaías 28.23-29, o pastor conjecturou a vida do crente como uma terra arada pelo agricultor. Onde, no caso da vida espiritual, Deus seria o agricultor, e nós, os cristãos, a terra com quem Ele trata para plantar o que for melhor para brotar.

 

Mas para ficar pronta, a terra passa por alguns processos, assim como o cristão. “Tem crente que Jesus tem que dar uma sacudida. Não sei se você está precisando de uma sacudida, mas se tiver receba com amor”, disse enfatizando que o mestre age assim, pois precisamos ser tratados por Ele para frutificar na sua obra.

O Pr. Antônio José encerrou a Palavra com uma oração fervorosa clamando a Deus que nos ajudasse a sermos submissos a vontade dEle.

Amanhã (20), a Escola Bíblica de Obreiros (EBO) chega ao seu quinto dia. Os obreiros continuam incansáveis buscando pela presença do Senhor.  Traga a sua família e venha cultuar conosco também.

Se não puder estar no Templo, a Rede Brasil transmite ao vivo os cultos do turno da noite pelo Facebook e Youtube.

Povos não alcançados no Brasil

missões

O Evangelho do nosso Senhor Jesus Cristo desde quando foi anunciado pela primeira vez no Brasil, encontrou um solo fértil, assim como descrito na parábola apresentada pelo Mestre aos seus discípulos, onde Ele disse que a semente “…caiu em boa terra, e deu fruto: um a cem, outro a sessenta e outro a trinta…”(Mt 13.8). É inegável a realidade do crescimento numérico de evangélicos em terras brasileiras que hoje já alcança mais de 26% da população. Muitas vidas têm sido libertas e transformadas pelo Senhor de forma tal, que o Brasil se tornou um celeiro missionário, enviando mensageiros do Evangelho a várias nações.

 

O crescimento das Assembleias de Deus no Brasil            

 

A maior igreja evangélica do país e a que mais cresce é a Assembleia de Deus. Vale salientar que, esse crescimento é o resultado dos ensinamentos bíblicos, implantado pelos missionários, que foram pioneiros na fundação dessa igreja em solo brasileiro, a saber: Daniel Berg e Guna Vingren, posteriormente sucedidos por pastores brasileiros. Estes heróis da fé, deram continuidade a grande missão que foi dada por Jesus aos seus discípulos. Desta forma, os membros desta grande denominação se espalharam pelo Brasil, supervisionados por seus pastores e anunciaram a mensagem salvífica de forma indistinta, levando a semente do Evangelho em todo o território brasileiro.



Pernambuco não foi diferente, pois, o projeto divino para a evangelização do mundo contemplava o estabelecimento de uma igreja em solo pernambucano. Esta convicção se fundamenta na história da igreja Evangélica Assembleia de Deus em Pernambuco, IEADPE, uma trajetória de fé e combates espirituais, pontuada por testemunhos de milagres, conversões e manifestação do poder do Espírito Santo, como fruto de oração e do evangelismo.

Este trabalho foi fundado pelo missionário Joel Carlson, obreiro enviado pela Igreja de Estocolmo, na Suécia que se entregou sem medidas ao trabalho evangelístico em Pernambuco. Depois  vieram pastores como o Pr. José Amaro e o Pr. José Leôncio da Silva que estiveram a frente da igreja pernambucana, promovendo uma conscientização evangelística no estado e da Obra Missionária Transcultural, respectivamente. Hoje, através do Pastor Presidente, o Pr. Ailton José Alves, a IEADPE, continua avançando. A igreja tem chegado em todos os municípios do Estado, um grande avivamento tem acontecido ao longo desses anos. O trabalho evangelístico também é realizado através da Rede Brasil de Comunicação, que por meio de rádio, televisão e internet, anuncia a Salvação em Cristo Jesus, fazendo com que milhares de vidas sejam alcançadas. A igreja também tem anunciado o Evangelho diariamente através das Cruzadas Boas Novas, além das dezenas de concentrações evangelísticas realizadas semanalmente em diversos bairros. O evangelismo pessoal é a marca principal dessa Igreja, pois, milhares de crentes, diariamente anunciam que só Jesus Cristo é o Senhor.

templo

 

Porém, apesar do crescimento numérico de evangélicos em todo o território nacional, devemos compreender que poucos brasileiros, na atualidade, se dedicam a Obra Missionária e as atividades de evangelismo, negligenciando a responsabilidade de ir mais adiante. Há, portanto, ainda, muito por ser feito, é necessário a igreja brasileira estar bem inteirada acerca dos desafios missionários, para atuarmos de forma mais evidente nas atividades doméstica de evangelismo.

Quem são os menos evangelizados no Brasil?        

O Brasil é o quinto maior país do mundo em extensão territorial, com uma população de aproximadamente 210 milhões de habitantes, onde 96% da população é considerada religiosa. Encontramos neste país um número muito elevado de diversas religiões, e por isso,o Brasil se encontra diante de muitos desafios espirituais. A nossa nação aparece no quadro mundial liderando o ranking nas estatísticas referente a adeptos do catolicismo e de espíritas, e, é o 2° país no mundo de pessoas que professam pertencer as Testemunhas de Jeová. Ainda temos em nossa nação mais de 1 milhão de muçulmanos, distribuídos em 500 mesquitas em todo o Brasil, e a sua capital, Brasília, é considerada a capital mundial do esoterismo. Vejamos ainda outros desafios para a evangelização no Brasil:

Indígenas:

981957-25102015-dsc_2786_0
IMAGEM: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Acredita-se que no Brasil em 1530 havia 1,5 milhão de indígenas, enquanto hoje eles não passam de 400.000 em todo o território nacional. Estes estão divididos em cerca de 251 etnias distintas representando mais de 180 línguas diferentes. Dentre estas etnias, apenas 26 possuem o Novo Testamento completo traduzido em seus idiomas e outras 59 possuem porções, entretanto, mais de 120 tribos necessitam urgentemente de uma tradução das Escrituras. Vejamos alguns desafios para a evangelização dos indígenas brasileiros:

 

Tribos conhecidas: 218 (população: 353.881);

Tribos isoladas: 33 (população: 1.853);

Tribos a serem pesquisadas: 50 (população estimada: 2.735);

Tribos com existência duvidosa: 48 (população: 2.217);

Total de tribos existentes: 349 (população: 360.686);

Estima-se que há 117 etnias sem presença missionária e sem o conhecimento do Evangelho. Estas etnias, com pouco ou nenhum conhecimento de Cristo, estão espalhados por todo o Brasil com forte concentração no Norte e Nordeste.

Ribeirinhos:

Reprodução EBC
Reprodução EBC

Na bacia amazônica há 37.000 comunidades ribeirinhas ao longo de centenas de rios e igarapés. As pesquisas mais recentes apontam a ausência de igrejas evangélicas em cerca de 10.000 dessas comunidades.

Ciganos:

 

ciganosOs Ciganos espalham-se por todo o território nacional nas grandes e pequenas cidades, vivendo em comunidades nômades, seminômades ou sedentárias. Brasil possui cerca de 800 mil ciganos que carecem de evangelização e muitos deles estão localizados em assentamentos de 291 cidades brasileiras. Os ciganos dividem-se em três grandes grupos: Sinti, Rom e Calon.

A grande parte desse povo está concentrada, principalmente, no litoral das Regiões Sul, Sudeste e Nordeste. O estado da Bahia destaca-se por conter o maior número de grupos ciganos. Este grupo representa um número significativo na população brasileira e o trabalho de evangelização de ciganos é muito necessário.

 

Imigrantes:

Há mais de 100 países representados no Brasil por meio de imigrantes e 27 dessas nações, que aqui estão presentes, são países onde não há plena liberdade para o envio de missionários ou da pregação do Evangelho. Por isso, é difícil enviar missionários para esses países que estão  entre nós, com colônias sobretudo em São Paulo, Brasília, Foz do Iguaçu e Rio de Janeiro. Há entre nós muitos imigrantes que se encontram negociando e estudando. Estes precisam ouvir que Jesus Cristo é o Senhor. Destacamos a chegada de muitos estrangeiros por motivo da situação política internacional que tem provocado um deslocamento de muitos povos através dos
refugiados.

imigrantes

Reprodução

Surdos, pessoas com limitações de comunicação:

Há mais de 9 milhões de cidadãos nesta categoria em nosso país, e, menos de 1% se declara evangélico.

 

Os mais ricos e os mais pobres

Os extremos socioeconômicos dividem-se em dois: A classe “A” e a classe “E”. As últimas pesquisas nacionais demonstram que a presença evangélica é expressiva nas escalas socioeconômicas que se encontram entre os dois pontos, porém, sensivelmente menor nos extremos. Em alguns Estados brasileiros há três vezes menos evangélicos entre os mais ricos e os mais pobres do que nos demais segmentos socioeconômicos. As populações concentradas verticalmente em edifícios fechados, os condomínios, hoje, são quase inalcançáveis com a mensagem evangelística. Outro desafio é o excesso de entretenimento que bloqueia a evangelização desse grupo. Por conseguinte, o outro extremo encontra-se desafiado pelas muitas modalidades de crimes que tem se manifestado, pelo envolvimento com drogas, com a prostituição e a escassez financeira.

Reprodução

MOTIVOS DE ORAÇÃO

Diante de tamanha realidade, devemos orar ao Senhor pelo Brasil:

Orar para um despertamento na evangelização das famílias;

Orar para que os dons espirituais continuem evidenciados através da pregação;

Orar para que as forças do inimigo que investem contra a igreja sejam neutralizadas;

Orar para que a igreja alcance os lugares inacessíveis;

Orar para conversões de vidas.

 

Notas:

Manual de Intercessão, Prá Mídia publicações, p.14-1998. Revista IDE – nº 22, p. 06 – 1999.

Departamento de Assuntos Indígenas da Associação de Missões Transculturais do Brasil.

pesquisa da Aliança Evangélica Indígenas do Nordeste e AMTB.

Reconhecidas pelo IBGE 2012.

Projeto Fronteiras – Associação Evangélica Pró Ribeirinhos do Brasil.

Missão Amigos dos Ciganos – Associação Evangélica Pró Ciganos do Nordeste

Missão JUVEP

Fundação Palmares.

Pesquisa em andamento pela Associação Evangélica Pró Quilombolas do Brasil.

IBGE 2012:

IBGE 2014.

IBGE 2010, 2012 e 2014.

Projeção de dados quantitativos por categoria socioeconômica.

https://sites.google.com/site/embuscadaovelhaperdida/dados-sobre-missao-evangelistica-no-brasil-e-no-mundo

 www.mntb.org.br

www.infobrasil.org

www.brasil21.org.br

“Povos não alcançados” – material para o Culto de Missões (maio/junho)

Os departamentos de estatísticas calculam que, até hoje, menos da metade da população mundial com as suas etnias e línguas tenham sido alcançadas pelo evangelho, a outra parte é conhecida como povos não alcançados. Este termo é uma expressão que surgiu para definir um grupo de indivíduos não evangelizados de uma determinada comunidade nativa, que não foram alcançados pelos cristãos pertencentes a este grupo específico. Esses povos não tem conhecimento de quem é Deus, e, consequentemente, não conhecem a salvação oferecida por Cristo Jesus.
CARACTERÍSTICA
A lista dos povos “não alcançados” é imensa. Passa por todos os continentes, grandes metrópoles, vilarejos, aldeias e tribos. Eles não estão apenas em lugares de difícil acesso, como a maioria de nós imagina. Algumas vezes, é possível encontrar grupos inteiros isolados por barreiras idiomáticas ou culturais. Na atualidade, há no mundo 487 cidades com mais de 1 milhão de pessoas, e dezenas dessas cidades em diversas regiões se encontram dentro deste contexto: não alcançadas pelo Evangelho.
O número exato dos povos não alcançados varia de acordo com as definições e requisitos exigidos. É possível classificar povos “não alcançados” a partir de um grupo considerado como mega povo ou povos minoritários, considerando a variedade étnica, complexidade linguística, situação socioeconômica, barreiras políticas, etc. Desta forma, estima-se que na atualidade haja em todo o mundo aproximadamente 16.475 grupos distintos, onde mais de 6.664, ou seja, 40,4% dos povos caracterizados pelas suas culturas, línguas e raças ainda não foram alcançados pelo Evangelho do nosso Senhor e Salvador.


Alguns destes grupos não tem sequer uma estrutura de linguagem escrita formada, não leem nem escrevem em seus próprios idiomas, consequentemente, não têm sequer uma porção das escrituras em sua língua materna. Já outros possuem uma estrutura social bem dividida, dominam a escrita e possuem uma forte e milenar estrutura religiosa, mas, isto se constitui uma ameaça, pois as religiões encontradas nessas culturas se opõem às doutrinas cristãs.
DESAFIOS
Cada grupo não alcançado possui barreiras e desafios únicos a serem vencidos. Estes grupos permanecem inalcançados ou ocultos porque são verdadeiramente difíceis de se alcançar. Estima-se que na atualidade a população global seja de aproximadamente 7.290 bilhões de pessoas, sendo que 3.080 bilhões, ou seja 42,2%, ainda não ouviram falar de Jesus. As estatísticas revelam que aproximadamente 102 pessoas morrem e 180 pessoas nascem por minuto em todo o mundo. Urge a necessidade de alcançarmos o mundo com a mensagem das Boas Novas! Portanto, há muitos desafios a serem vencidos:
1. O desafio religioso
Existe no mundo mais de 33 milhões de religiões com suas distintas crenças, seitas e heresias, que dificultam a proclamação do genuíno Evangelho do nosso Senhor e Salvador.
2. O desafio cultural
Os usos e costumes, a cosmovisão e a percepção de cada povo em relação ao mundo é uma realidade encontrada no meio de várias etnias. A transculturação do missionário para a propagação do Evangelho é um desafio a ser vencido.
3. O desafio linguístico
A diversidade de idiomas e dialetos falados ao redor do mundo se constitui um grande desafio, pois existe a necessidade de se traduzir a bíblia ou porção dela para a pregação do Evangelho entre esses povos.
4. O desafio econômico
A disparidade econômica também apresenta seus grandes desafios: os lugares mais ricos se tornam não evangelizados pela grande segurança estabelecida em favor dos mais abastados, enquanto que as regiões extremamente pobres também se tornam difíceis devido à necessidade de alimento, roupa, moradia, estrada, acesso a determinados ambientes, múltiplas enfermidades etc.

JANELA 10/40
Entre os povos não alcançados existe o “Cinturão de Resistência” ao Evangelho, que está localizado na faixa do globo terrestre que se estende do oeste da África, passando por todo o Oriente Médio e vai até a Ásia. Esta região acompanha a linha do equador, subindo em forma de um retângulo entre os graus 10 e 40. A esse retângulo denomina-se o termo JANELA 10/40.
Nessa região encontra-se uma grande multidão de cerca de 3,2 bilhões de pessoas que ainda não ouviram a mensagem de salvação através de Cristo Jesus. Ali predomina os seguidores do Budismo com aproximadamente 1 bilhão e 200 milhões de adeptos, o Islamismo com um número próximo de 1 bilhão de seguidores e o Hinduísmo, com mais de 700 milhões de fiéis. Dos 50 países menos evangelizados do mundo 37 desses encontram-se na JANELA 10/40, onde reside 82% das pessoas mais pobres do planeta. Bilhões de pessoas são vítimas das enfermidades, misérias e calamidades.
OS POVOS SEM PÁTRIAS
A evangelização dos “povos sem pátria” têm se constituído um grande desafio para as igrejas, pois eles, julgando ser nativos de uma determinada região, reivindicam a autonomia daquele local e a soberania de seu Estado. Essa reivindicação muitas vezes ocorre de mãos armadas como resultado de conflitos sociais e políticos. Em muitos casos, a luta destes povos parece estar longe de obter uma solução satisfatória, tendo em vista que nenhum país quer abrir mão de parte de seus respectivos territórios para serem repassadas a um grupo que vive insubordinado. Vejamos alguns povos sem pátria que precisam ser alcançados:BASCOSBERBERESCHECENOSCURDOSCIGANOSINDIOS BRASILEIROSPALESTINOSTIBETANOS

Culto de Missões Infantil em Bonança

Foto: IEADPE Bonança
Foto: IEADPE Bonança
Baseado no tema: Missões também é coisa de criança, a IEADPE em Bonança realizou o Culto de Missões Infantil, no templo Matriz, através da coordenação do Departamento Infantil. O evento aconteceu no sábado, 26 de setembro e reuniu crianças de várias congregações da filial.
No culto houveram várias apresentações relacionadas ao trabalho missionário. A ministração da Palavra de Deus foi feita pelo Dc. Gerson Junior. As pequeninos se alegraram e demonstraram seu amor pelo evangelismo transcultural. Afinal, missões também é coisa de criança.

Culto de Missões no Setor 07

Fotos: IEADPE Camela
Fotos: IEADPE Camela
A IEADPE no Setor 07 – Camela realizou, neste domingo (20) o Culto de Missões. O evento aconteceu no templo Matriz, sob coordenação setorial do Ev. Moisés Francisco.
O culto seguiu o modelo fornecido pela Superintendência das Campanhas Evangelizadora do Estado. Diversos jovens foram mobilizados para desenvolver a programação missionária. O país em foco foi a Espanha, que tem cerca de 1.200.000 Cristãos Evangélicos, e cerca de 47 milhões de habitantes.
A Espanha foi apresentada como um grande desafio missionário, pelo qual a Igreja deve orar. O Pastor Setorial ministrou a palavra de Deus e ao lançar o convite 02 pessoas aceitaram a Jesus como salvador de suas vidas.

Aniversário do Círculo de Oração Infantil em Portugal

ADNEWS

Fotos: IEADPE Portugal
Fotos: IEADPE Portugal
A Missão da IEADPE em Portugal realizou as festividades do 2º aniversário do Círculo de Oração Infantil e 9º aniversário do Coro Infantil no templo em Areosa, na cidade do Porto, sede da Missão.
O evento aconteceu neste fim de semana (27 e 28 de junho) com o tema: E viu Deus que tudo isso era bom! O trabalho missionário em Portugal é coordenado pelo Pr. Gilberto Diniz e família.