Arquivo Adnews

A beleza da mulher cristã

É algo bastante comum que as mulheres cuidem e se preocupem com sua beleza. De fato, uma das indústrias que mais crescem (e que parece imune às crises econômicas recentes) é a da beleza. Artigos de moda, roupas, acessórios, cosméticos, tratamentos estéticos, academias, etc., nunca estiveram tão em alta. Gastam-se fortunas na busca de um corpo e de um rosto ideal, sem imperfeições e sem os efeitos do tempo.

Embora seja, até certo ponto (o bom senso, o equilíbrio são fundamentais para que se evitem os excessos), normal este tipo de preocupação entre as mulheres, o que nos diz a Palavra do Senhor quanto à beleza da mulher cristã? Ao escrever a Timóteo (2 Tm 2.9-10), o apóstolo Paulo diz que as mulheres que servem a Deus devem adornar-se com modéstia e discrição, ou seja,  seus cuidados com a aparência devem pautar-se no pudor (ou seja, no recato em exibir o seu corpo; é preciso cuidado com a honra do vestuário, de modo a não provocar desejos impuros em outras pessoas. A modéstia é a manifestação externa de uma pureza interna. Não é errado uma mulher adornar-se, desde que este adorno não fira o padrão de santidade que se espera de uma santa mulher de Deus.

Também o apóstolo Pedro, ao falar deste assunto, ensinou: “O enfeite delas não seja o exterior, no frisado dos cabelos, no uso de joias de ouro, na compostura de vestes, mas o homem encoberto no coração, no incorruptível trajo de um espírito manso e quieto, que é precioso diante de Deus. Porque assim se adornavam também antigamente as santas mulheres que esperavam em Deus e estavam sujeitas ao seu próprio marido”(1 Pe 3.3-5).

Fica bem claro nesse texto que a beleza da mulher que serve a Deus não depende de coisas exteriores, como joias ou roupas muito caras, ou artificialidades diversas, mas é algo que vem de dentro para fora, procede de um coração manso e irrepreensível. O que importa para Deus é que nós, mulheres, nos preocupemos em desenvolver, com a ajuda do Espírito Santo as virtudes descritas em Gálatas 5.22: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão e temperança. Jesus mesmo declarou: “aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração” (Mt 11.29).

De nada serve ter uma aparência esplêndida exteriormente se nossos atos, comportamentos, palavras demonstram vir de um coração insensato e cheio de desejos pecaminosos. Precisamos cuidar de nosso coração mais ainda do que cuidamos de nosso exterior, pois a palavra de Deus nos ensina que “sobre tudo o que se deve guardar, guarda o teu coração, porque dele procedem as saídas da vida” (Pv 4.23). Jesus ensinou que do interior do coração dos homens saem os maus pensamentos e todos os tipos de pecado (Mc 7.21). Por isso, se queremos ser verdadeiramente belas, temos que cuidar bastante daquilo que deixamos entrar em nosso coração.

Que o Senhor nos ajude a sempre considerarmos esta verdade: “Enganosa é a graça, e vaidade (ou seja, passageira) é a formosura, mas a mulher que teme ao Senhor essa será louvada” (Pv 31.30). A beleza exterior pode ser enganosa, pode não ser autêntica (e como isso acontece hoje em dia!) e com certeza, um dia vai passar, mas a beleza que vem de um coração que teme ao Senhor jamais esmorecerá.

Cristhiane Alves

_______________________

* Publicado originalmente no Adnews 27 (Maio/2014)