Milhares de assembleianos se reúnem na Arena Pernambuco para agradecer a Deus por 100 anos da IEADPE

Cem anos de história! Chegou o dia mais aguardado pelas famílias assembleianas do estado de Pernambuco. E foram exatamente 367 dias de espera desde a abertura das comemorações pelo centenário da IEADPE, até o evento do dia de hoje, que aconteceu com um planejamento e organização impecáveis.

E o dia começou cedo na Arena de Pernambuco. Aliás, foram dias de preparação pré-evento. Em algumas vezes até meses, como no caso do Grande Coral do Centenário, que este ano foi formado por 2.100 vozes, sob direção do maestro o Dc. Genilson Luis. Foram  dez meses de ajustes nas vozes, no repertório, na orquestra com mais de 200 músicos, e vários outros detalhes acertados durante os ensaios para que tudo ficasse perfeito, para a Glória de Deus.

“Esse ano tem 24 corais e a orquestra. Os ensaios eram em cada congregação. Os corais ensaiavam separadamente. E uma vez por mês nos reuníamos no Templo Central. E, na verdade, é uma fusão de ensaio, culto e congresso. Porque a presença de Deus era tão forte que o ensaio nunca foi um ensaio normal, como a gente está acostumado. Era um ensaio diferenciado. O Pr. Ailton Junior ou o Pr. Luiz Mário iam lá, faziam o devocional, no meio dos hinos a gente falava da Palavra de Deus e o coral se emocionava. Deus curou e até conversão houve nos ensaios”, declarou o maestro Genilson.

Além deste Coral, a organização do grande culto na Arena contou com uma equipe de mais de 3 mil voluntários, que atuaram na logística, segurança e recepção. A montagem da estrutura do palco, som, cadeiras e da conservação da grama aconteceu durante toda a semana. O irmão Junior Silva, da congregação em Novo Benfica foi um dos voluntários. “Nossa responsabilidade é com o coral e orquestra auxiliando quem tem dificuldade em se acomodar. Pra mim é uma alegria que enorme. E não é somente eu que estou trabalhando, mas minha esposa e minha filha também estão. E vai ficar na história. Pra nós que somos dessa igreja, é uma alegria sem comparação”, afirmou

Na programação, que começou com um pré-culto, às 13h, enquanto as caravanas iam se acomodando já se ouvia louvores e adoração. Levitas das congregações espalhadas por todo estado vieram cantar neste dia de celebração.

A abertura do culto oficial se deu em um momento tão emocionante quanto o ano passado. Primeiro foram prestadas homenagens aos pioneiros da IEADPE. Entre eles, Pr. Adenis Guerra, Pr. Eraldo Omena, Pr. Dário Tavares e Pr. Severino Almeida que contribuíram com o início desta obra. As famílias dos pastores que já presidiram a igreja centenária também receberam as homenagens. Foi entregue das mãos do Pr. Ailton José Alves, uma placa comemorativa a família do Pr. José Bezerra (que sucedeu o missionário Joel Carlson), do Pr. José Rosa, do Pr. José Amaro, bem como do Pr. José Leôncio. Num momento tocante onde os presentes puderam ver figuras como a Ir. Alice Inácio e Ir. Carmélia Leôncio, viúvas dos dois últimos pastores.

Depois das homenagens, um vídeo narrando a história da Igreja desde os tempos primitivos, passando pela chegada dos missionários, pelos pastores presidentes que antecederam o Pr. Ailton, até chegar aos dias de franco crescimento da igreja foi transmitido. A igreja também se alegrou com o processional de abertura da noite que impactou a todos com a simbologia da passagem da tocha para as futuras gerações, com a mensagem: o fogo arderá continuamente.

A Arena se transformou em um templo para adoração a Deus. Um clima espiritual tomou conta do lugar. A ministração da Palavra de Deus foi feita pelo Pr. Juan Carlos Escobar, Presidente da AD Espanha. E, baseado no texto contido no livro de Cantares de Salomão 2.4b, ele falou sobre o amor: “O mundo precisa de pessoas que construam pontes. Jesus te ama”, disse. E, confirmando a tradição pentecostal da Assembleia de Deus em Pernambuco, também houve salvação de 18 almas.

Mais uma vez, a IEADPE quebrou o recorde de público registrado na Arena. Foram contabilizadas mais de 56 mil pessoas. Deste público, além dos irmãos de várias congregações, áreas, filiais e setores espalhados pelo Estado – que foram trazidos por 1138 ônibus locados -, vieram também para o encerramento das comemorações pelo centenário, todos os missionários enviados pela Igreja para outros países, além de mais dezenas de pastores vindos de todo o Brasil.

O presidente da Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB) também veio prestigiar a celebração. De acordo com ele a igreja deve agradecer porque Deus tem feito prosperar as Assembleias de Deus no Brasil. “Nós agradecemos ao Senhor Deus porque Ele tem feito prosperar nossa igreja no Brasil. Não somente aqui no norte/nordeste, mas todo o Brasil. Nós podemos ver que as celebrações estão cada vez mais contundentes, porque o sentimento do povo assembleiano é a felicidade e a alegria de ser alcançado pelo evangelho pentecostal, e de estar servindo ao Senhor nesta igreja. Nós temos orgulho de ser assembleianos. Os 99 anos aqui foi maravilhoso, e eu fiquei pensando: o que será que vai vir de novidade? E aconteceu de melhor foram as almas se rendendo aos pés do Senhor. Isso é o resultado e a premiação do trabalho que foi realizado”, declarou o presidente da CGADB.

E, mais outra vez, Deus surpreendeu a Sua Igreja. Durante este ano foram realizadas sete celebrações pelo centenário nas cidades de Petrolina, Caruaru, Goiana, Ouricuri, Garanhuns e Custódia onde mais de mil pessoas entregaram suas vidas a Jesus. Em comemoração pela data também foi lançado um livro histórico Cem Anos de Pentecostes, a Bíblia com encarte comemorativo e uma exposição que está aberta a visitação no terraço do Templo Central. Tudo feito para registrar o legado que esta igreja vem construindo ao longo de todos os anos.

Quem imaginaria que o trabalho de um casal de missionários suecos fosse dar tantos frutos? Atualmente, a IEADPE conta com mais de .. mil membros. São tantos que não cabem no maior espaço para eventos do estado. E não caberiam em nenhum do país e do mundo. Hoje esta igreja mostrou que é uma luz para o mundo  e que o segredo é manter a chama pentecostal acesa. As comemorações pelo centenário encerram aqui, mas os legado vai ser levado por gerações, até a volta de Cristo.

Centenário, o dia esperado chegou

A expectativa em torno do Centenário da Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Pernambuco(IEADPE), tem sido muito grande. Vários irmãos estão se preparando desde antes da abertura do ano centenário, realizada ano passado, também na Arena de Pernambuco, em outubro de 2017.

     As pessoas começaram a chegar, aos poucos, desde a manhã. Caravanas vindas de várias cidades doEstado estão marcando presença.

    Mas, antes mesmo que a Arena começasse a encher, o Grande Coral do Centenário já estava presente. Este ano são mais de 2100 vozes e 200 músicos, apesar deste ter a mesma quantidade de corais, 24, em comparação a abertura, a quantidade de coristas aumentou em mais de 500 componentes.

       Segundo o maestro Genilson, coordenador do Coral do Centenário, a escolha dos corais não foi baseada apenas na qualidade vocal, três critérios foram levados em consideração: técnico, logístico e representativo. A intenção é de que, além da boa qualidade musical, corais de diferentes congregações de Região Metropolitana do Recife, e algumas filiais no interior participassem, também levando em consideração a viabilidade de deslocamento.

     Uma das coristas, é a irmã Ivanilda, a regente mais antiga, ainda atuante, da IEADPE. Há 49 anos ela tem servido a Deus, como maestrina de corais. Atualmente Ivanilda coopera na Congregação em Timbi e relatou a imensa alegria de participar deste momento, se sentindo honrada por fazer parte dessa história, servir ao Senhor, e ainda poder ser uma das 2100 vozes que irão cantar hoje.

    O Culto Introdutório começou às 13h50, após a saudação e oração realizada pelo Vice Presidente da IEADPE, o Pr. Ailton Júnior. Além da equipe de louvor, vários cantores participaram deste momento.

      Ev. Lourival esteve dirigindo este primeiro momento. Às 15h, o recorde de participantes na Arena Pernambuco já havia sido ultrapassado, tendo 53 mil pessoas no local, maior público presente no Estádio.

A beleza da mulher cristã

É algo bastante comum que as mulheres cuidem e se preocupem com sua beleza. De fato, uma das indústrias que mais crescem (e que parece imune às crises econômicas recentes) é a da beleza. Artigos de moda, roupas, acessórios, cosméticos, tratamentos estéticos, academias, etc., nunca estiveram tão em alta. Gastam-se fortunas na busca de um corpo e de um rosto ideal, sem imperfeições e sem os efeitos do tempo.

Embora seja, até certo ponto (o bom senso, o equilíbrio são fundamentais para que se evitem os excessos), normal este tipo de preocupação entre as mulheres, o que nos diz a Palavra do Senhor quanto à beleza da mulher cristã? Ao escrever a Timóteo (2 Tm 2.9-10), o apóstolo Paulo diz que as mulheres que servem a Deus devem adornar-se com modéstia e discrição, ou seja,  seus cuidados com a aparência devem pautar-se no pudor (ou seja, no recato em exibir o seu corpo; é preciso cuidado com a honra do vestuário, de modo a não provocar desejos impuros em outras pessoas. A modéstia é a manifestação externa de uma pureza interna. Não é errado uma mulher adornar-se, desde que este adorno não fira o padrão de santidade que se espera de uma santa mulher de Deus.

Também o apóstolo Pedro, ao falar deste assunto, ensinou: “O enfeite delas não seja o exterior, no frisado dos cabelos, no uso de joias de ouro, na compostura de vestes, mas o homem encoberto no coração, no incorruptível trajo de um espírito manso e quieto, que é precioso diante de Deus. Porque assim se adornavam também antigamente as santas mulheres que esperavam em Deus e estavam sujeitas ao seu próprio marido”(1 Pe 3.3-5).

Fica bem claro nesse texto que a beleza da mulher que serve a Deus não depende de coisas exteriores, como joias ou roupas muito caras, ou artificialidades diversas, mas é algo que vem de dentro para fora, procede de um coração manso e irrepreensível. O que importa para Deus é que nós, mulheres, nos preocupemos em desenvolver, com a ajuda do Espírito Santo as virtudes descritas em Gálatas 5.22: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão e temperança. Jesus mesmo declarou: “aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração” (Mt 11.29).

De nada serve ter uma aparência esplêndida exteriormente se nossos atos, comportamentos, palavras demonstram vir de um coração insensato e cheio de desejos pecaminosos. Precisamos cuidar de nosso coração mais ainda do que cuidamos de nosso exterior, pois a palavra de Deus nos ensina que “sobre tudo o que se deve guardar, guarda o teu coração, porque dele procedem as saídas da vida” (Pv 4.23). Jesus ensinou que do interior do coração dos homens saem os maus pensamentos e todos os tipos de pecado (Mc 7.21). Por isso, se queremos ser verdadeiramente belas, temos que cuidar bastante daquilo que deixamos entrar em nosso coração.

Que o Senhor nos ajude a sempre considerarmos esta verdade: “Enganosa é a graça, e vaidade (ou seja, passageira) é a formosura, mas a mulher que teme ao Senhor essa será louvada” (Pv 31.30). A beleza exterior pode ser enganosa, pode não ser autêntica (e como isso acontece hoje em dia!) e com certeza, um dia vai passar, mas a beleza que vem de um coração que teme ao Senhor jamais esmorecerá.

Cristhiane Alves

_______________________

* Publicado originalmente no Adnews 27 (Maio/2014)

A busca desenfreada pelo corpo perfeito

A beleza exterior sempre foi motivo de preocupação. Muitos acreditam que cuidar do corpo é uma filosofia de vida. Lipoaspiração, implantes de silicone, cirurgias plásticas, anabolizantes, dietas milagrosas, ditadura nas academias. A vaidade com o corpo está tão em alta que a aparência se tornou prioridade na vida de alguns jovens. Os padrões de beleza que a sociedade impõe, fazem com que a juventude se dedique cada vez mais a ter um corpo perfeito e moderno.

Assim como na Grécia antiga com estátuas e gravuras, o estereótipo mostrado pela mídia atual, principalmente em revistas e programas televisivos, traça um perfil de “super-humanos”. Todos musculosos, sarados, atléticos, nariz empinado, enfim, corpos perfeitos para corresponderem às exigências da moda.

No entanto, a excessiva valorização dessa “cultura” tem se tornado um problema até mesmo de saúde publica. A busca pela perfeição tem levado jovens a cometerem abusos contra o próprio corpo achando que dessa forma terão maior credibilidade e visibilidade social.

Ao olhar-se no espelho, Laís Mayara, 19, não se conforma com o que ver. Quer fazer uma cirurgia para afilar seu nariz e acredita que sua face ganhará um realce. “Quero ter um nariz fino”, explica a estudante. Todos os dias, ela se cobra e quer a todo custo realizar o procedimento da forma mais rápida possível para olhar para o espelho e ficar satisfeita.

Assim como Laís, sempre tem alguém querendo fortalecer sua personalidade com a aparência e dedica-se ao máximo como uma enfermidade psicológica, numa espécie de ‘culto ao corpo’. O culto ao corpo está associado ao poder da imagem que se faz de si próprio.

O dilema para manter a estética corporal faz alguns jovens tomarem atitudes que jamais pensaria que ocorreria consigo. Foi o caso de Silvana Porto, 28 anos. Preocupada com a estética de seu corpo e querendo ter “barriguinha de tanquinho” fez uma lipoaspiração no mês de dezembro. Após a cirurgia Silvana voltou para casa, dias depois, começou a sentir dores muito fortes e muita febre. Ela estava com hemorragia e início de infecção. Voltou para o hospital e está em coma.

A moda da “corpolatria” gera um impacto na vida desses jovens preocupados em ter corpos “sarados”. Isto influencia na área social, profissional, espiritual e até familiar. Na mente deles, todo foco é voltado para sua estética corporal ficam a mercê de cremes, academias, cirurgias e outros recursos para se sentirem mais valorizados e poder chamar atenção, quando na verdade se iludem ficando presos ao culto do corpo e afastando-se da saúde corporal.

_______________________

* Publicado originalmente no Adnews 13 (Fevereiro/2013)

Confira as Cruzadas Boas Novas desta semana

A Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Pernambuco (IEADPE) realiza semanalmente Cruzadas Boas Novas, em diversas localidades da Região Metropolitana do Recife (RMR). As concentrações evangelísticas reúnem irmãos locais, cantores e conjunto musical convidado e preletor escalado.

Terça-feira (09/10)
Acampamento – Área 40
Campo de Poeirão, por trás da Upinha de Beberibe

Quarta-feira (10/10)
Candelária – Área 36
Rua Coronel Dario Ferraz, próximo ao Shopping Sul Barra de Jangada

Sexta-feira (12/10)
Torrões – Área 44
Rua Ocidental, próximo ao Terminal de Ônibus Sítio das Palmeiras

Sexta-feira (12/10)
Escada (Setor-05)
Usina Barão

Sábado (26/09)
Moreno (Setor-03)
Engenho Massaranduba, Povoado de Massaranduba

Compositoras da Harpa Cristã: Frida Vingren

Durante quatro meses, estamos acompanhando a história devida de mulheres que se destacaram em sua época por grandes atos e por compor a letra e a música de belos hinos da Harpa Cristã. Este mês, vamos conhecer a história de Frida Vingren, uma grande mulher de Deus e que estava bem à frente do seu século.

Muitos já ouviram falar de Frida Vingren, pelo fato de ela ser a esposa do Pr. Gunnar Vingren, missionário e fundador das Assembleias de Deus no Brasil. Mas Frida foi muito mais que esposa, dona de casa e mãe. Missionária, compositora, pregadora, escritora, poetisa e violinista foram apenas algumas de suas funções.

Frida Maria Strandberg Vingren nasceu, em 1891, no norte da Suécia. De família luterana, foi criada em um lar cristão. Formou-se em Enfermagem, chegando a ser chefe de enfermaria no hospital onde trabalhava. Nessa época, o chamado para a Obra Missionária ardia em seu coração, então ela se uniu a muitos jovens que tinham o mesmo desejo em um movimento por missões.

Ainda jovem, Frida ingressou em um Instituto Bíblico na cidade de Götabro, província de Närkre, como objetivo de estudar mais a Palavra de Deus e se preparar para a Obra Missionária.

Em uma das visitas de Gunnar Vingren à Suécia, por causa de problemas de saúde, ele conheceu Frida, e se tornaram grandes amigos. Em 1917, Frida deixou seu país para vir ao Brasil e cumprir seu chamado missionário. Ao chegar a Belém do Pará, casou-se com Gunnar numa cerimônia realizada pelo Pr. Samuel Nystrom. O casal teve seis filhos:Ivar, Rubem, Margit, Astrid, Bertil e Gunvor.

Ainda recém-casados, tiveram que enfrentar diversas dificuldades, tanto na área financeira quanto na saúde física. Mas a vontade de ganhar almas e fazer ao brado Senhor era mais forte que as enfermidades. Depois de muitos anos no Pará, a família decidiu ir para o Rio de Janeiro, onde alugaram uma casa no bairro de São Cristóvão, na zona norte da cidade, e inauguraram o primeiro salão de cultos da Assembleia de Deus no Estado. Frida continuou desenvolvendo atividades evangelísticas em muitos lugares.

Ela era envolvida em obras sociais e ajudava muitas pessoas com sua própria formação: Enfermagem. Pela facilidade que tinha em escrever, tornou-se redatora dos jornais Boa Semente, O Som Alegre e Mensageiro da Paz. Ela também era escritora, tradutora de mensagens evangelísticas e doutrinárias e comentarista de Lições Bíblicas da Escola Dominical na década de 1930.

Além de escrever, Frida sempre se dedicou à música. Cantava, tocava órgão, violão e compunha vários hinos. A Harpa Cristã contém cerca de 23 hinos de sua autoria, entre eles: Deixai Entrar o Espírito de Deus (n°85), Uma Flor Gloriosa (n°196) e A Mão no Arado (n°394).

Depois de quinze anos trabalhando na Obra Missionária no nosso país, a família Vingren decidiu retornar à Suécia em setembro de 1932. Frida faleceu em 30 de setembro de 1940, 7 anos após o falecimento do marido.

_______________________

* Publicado originalmente no Adnews 41 (Agosto/2015), como parte de uma série englobando as edições 39 a 45. 

Confira as Cruzadas Boas Novas deste fim de semana

A Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Pernambuco (IEADPE) realiza Cruzadas Boas Novas, em diversas localidades da Região Metropolitana do Recife (RMR), semanalmente. As concentrações evangelísticas reúnem irmãos locais, cantores e conjunto musical convidado e preletor escalado.

Nesta sexta-feira 28, a concentração acontece em Porto do Barco (área 53), na Rua Primeiro de Maio, próximo à Congregação de Porto do Barco II. Já no sábado, 29, o evento acontece em Peixinhos (área 16), no Campo da Vila das Pedreiras. Você está convidado!